contato@psico-online.psc.br

(48) 98821-5097

Blog
Culpa e Poder
Postado em 6 de Julho de 2016.

[Como a manipulação da culpa se constitui em um mecanismo de poder dentro das relações abusivas]


Nos últimos textos trabalhamos com exaustão sobre o tema relacionamentos, e quanto mais avançamos nesta temática percebemos o quanto ela é vasta. Sabemos que um indivíduo é um universo em si mesmo, assim as relações são constelações sistêmicas que envolvem infinitas possibilidades que nunca se esgotam. Porém, assim como no grande universo, alguns padrões se destacam dentro de uma cadeia muito ampla de possibilidades como tendências previsíveis, que podem ou não vir a se realizar.


Nosso foco de interesse no sentido clínico é identificar os padrões somáticos das relações, de forma a contribuir com uma análise dos papéis subjetivos envolvidos na questão. A fim de se ampliar as perspectivas sobre estes próprios papéis, no sentido da cura os sintomas que afetam ambas as partes, mantendo-os presos não somente ao vínculo e em si, mas aos próprios papéis que desempenham dentro destes padrões de relacionamento.


Dentro dos padrões de relações tóxicas, trabalhamos recentemente com as relações abusivas (leia aqui) que se apresentam como um perfil de relação com traços de dependência muito característicos. Nestes casos, transfere-se um poder pessoal para o outro que se identifica com este poder, agindo algumas vezes de maneira tirânica, de forma a reforçar o vínculo de dependência.


Neste aspecto específico, existem muitas maneiras de se expressar esta dominação, porém, a maneira mais comum de atribuir poder a figura de alguém é colocá-la no lugar de juiz. Transferindo e projetando a idealização de uma entidade com um senso de valor moral e ético maior que o nosso, em muitos casos esta figura assume também o lugar de carrasco, como além de ser capaz de julgar nossas falhas e defeitos também estivesse autorizada a nos punir.


Das mais diversas formas de punição, a mais impiedosa de todas, dentro das relações afetivas, diz respeito à chantagem emocional. Ou seja, a maneira de barganhar afeto através do mecanismo de culpa, punição e absolvição. Desta maneira, a relação fica condicionada à repetição deste ciclo dentro de uma dinâmica obsessiva e compulsiva.


A identificação com os papéis subjetivos do culpado (réu) e do juiz (ou carrasco) reforça o vínculo a partir da vivência subjetiva com elementos regressivos da nossa própria história, por isso acabam gerando alguma dose de satisfação, ou como dizemos em análise, se constituí em um gozo mórbido.


Neste sentido, a terapia ajuda bastante na compreensão de qual é a função da necessidade de ainda (re) vivenciar estes papéis.

Entendemos que enquanto precisa-se experienciar determinados pontos de vista e perspectivas, algo ainda precisa ser elaborado a partir deste lugar, e possivelmente existe algum trauma permeando esta questão. Por este motivo a libido (energia vital) fica fixada em determinado ponto da história, precisando ser liberada para que possamos prosseguir com nosso processo de desenvolvimento e amadurecimento pessoal, emocional e psíquico. O resgate de conteúdos psíquicos adormecidos no inconsciente tem uma função poderosa de acionar algumas chaves que destravam o processo de desenvolvimento em diversos sentidos.


Esse texto mexeu com você? Podemos conversar, cadastre-se e agende a sua Orientação Online.   




Faça o seu login e agende sua consulta:

Login

Site Regulamentado pelo CFP
Atendimento Psicológico On-line

Fábio Lessa Peres
CRP 12/08899


© Psico-online 2015.
Todos os direitos reservados.